Arquivos do Blog

Aécio e Marina representam a transformação que o Brasil precisa

Ao lado de Marina Silva, Aécio Neves afirmou que ambos representam o movimento de transformação que o Brasil precisa.

Eleições 2014

Fonte: Jogo do Poder

Aécio e Marina representam a mudança do Brasil

Aécio e Marina fizeram uma declaração conjunta sobre as propostas comuns que unem ambos. Foto: Marcos Fernandes

“Representamos a transformação”, diz Aécio, ao lado de Marina Silva

Ao lado de Marina Silva, do PSB, o candidato à Presidência pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, afirmou, nessa sexta-feira (17/10), em São Paulo, que ambos representam o movimento de transformação que o Brasil precisa. O primeiro encontro entre Aécio e Marina neste segundo turno das eleições ocorreu após o PSB ter formalizado apoio à candidatura da Coligação Muda Brasil.

“Representamos, todos nós, não é o ‘nós’ de majestade imperial, nós aqui pessoas de partidos diferentes, representamos hoje o amplo sentimento de mudança que foi majoritário no primeiro turno dessas eleições”, disse Aécio acompanhado por Marina Silva.

Em seguida, o candidato acrescentou: “Eu deixo de ser um candidato de uma coligação ou mesmo de um partido político para ser hoje o representante de um grande movimento de transformação que precisa ocorrer no Brasil”.

Segundo Aécio, será a transformação de valores, de prioridades e de postura “em relação aos desafios que nós temos pela frente”.

Marina Silva retribuiu as palavras de Aécio. “Eu dizia que preferia perder ganhando do que ganhar perdendo. Nesse momento eu reitero e, se Deus quiser e o povo brasileiro, você haverá de ganhar ganhando”, afirmou.

Aécio e Marina fizeram uma declaração conjunta sobre as propostas comuns que unem ambos. Em seguida, o candidato à Presidência concedeu entrevista coletiva à imprensa.

Participaram do encontro Aloysio Nunes, vice na chapa de Aécio, o senador Pedro Simon (PMDB-RS), Walter Feldman, coordenador da campanha de Marina Silva, além do ex-governador Alberto Goldman,  do deputado federal reeleito Paulinho da Força (SD).

Também estiveram Beto Albuquerque, vice na chapa de Marina Silva, o governador eleito de Pernambuco, Paulo Câmara, Guilherme Leal (Rede Sustentabilidade), o ex-ministro Miro Teixeira, o ex-ministro José Gregori e o ex-secretário de Energia José Aníbal.

Eixos

Aécio citou três eixos fundamentais da parceira entre ele e Marina no segundo turno: o respeito à democracia, a necessidade de ampliar e avançar os programas sociais, assim como o resgate da capacidade de o país crescer por meio do desenvolvimento sustentável com credibilidade e eficiência.“Foi em torno desses três principais eixos que nós construímos o entendimento em favor do Brasil”, afirmou o candidato ao mencionar, inicialmente “o respeito às democracias, às liberdades coletivas e individuais”.

Em relação às políticas sociais, Aécio citou os programas de transferência de renda. “Eles são um direito do cidadão brasileiro e por isso mesmo eles serão mantidos e institucionalizados no nosso governo”, ressaltou ele, lembrando que esses programas serão tratados como prioridade no seu governo.

Ao destacar a preocupação com o crescimento do país, Aécio afirmou que ocorrerá baseado no desenvolvimento sustentável. “É fundamental que nós, de novo, coloquemos ordem na economia, resgatemos a credibilidade perdida no país para enfrentarmos com destemor e com eficiência a inflação que volta a sair de controle para que ela possa ser reduzida”, disse.

Marina acrescentou que os programas sociais não podem ser “fulanizadas”, pois são questões institucionais e que, portanto, pertencem ao Estado.  “As políticas públicas não podem ser ‘fulanizadas’ e partidarizadas têm que ser conquistas da sociedade do Estado e não de um partido ou de um governo”, disse ela.

Convite

Aécio apelou para que a candidata à reeleição pelo PT, a presidente Dilma Rousseff para discutir propostas para o futuro. “Eu faço aqui uma convocação à candidata Dilma: vamos falar de Brasil, vamos debater o futuro, vamos mostrar as nossas diferenças porque elas são realmente muito grandes”, disse ele.

O candidato lembrou, a pouco mais de uma semana para as eleições, que é fundamental respeitar a democracia e a liberdade de escolha dos eleitores. “Vamos pedir de forma democrática e livremente os brasileiros tomem a decisão que acharem a mais adequada. Eu respeitarei qualquer que seja ela”, afirmou.

Porém, Aécio reiterou que ofensas e calúnias são inadmissíveis. “O que eu não posso é aceitar as ofensas e as calúnias que vem sendo lançadas anonimamente e clandestinamente”, ressaltou.

Em seguida, o candidato disse: “Convoco a candidata Dilma Rousseff para que possamos fazer nos próximos debates ou nos nossos programas uma campanha de alto nível.  Ninguém destrói alguém e vence”.

Anúncios

Agronegócio: ruralistas aprovam apoio de Marina a Aécio

Anúncio do apoio de Marina a Aécio Neves (PSDB) no segundo turno foi visto como “natural” e com “tranquilidade” pelo setor.

Eleições 2014

Fonte: O Globo

Agronegócio aprova apoio de Marina a Aécio

Aliança entre Aécio e Marina foi elogiada por empresários do agronegócio. Foto: Divulgação

Ruralistas se dizem ‘tranquilos’ com o apoio de Marina a Aécio

Representantes do setor classificam a aliança como ‘natural’

Antes preocupados e desconfiados em relação à ex-candidata Marina Silva (PSB), os ruralistas se mostraram nesta segunda-feira mais confortáveis com relação aos movimentos políticos da ex-senadora. O anúncio do apoio de Marina a Aécio Neves (PSDB) no segundo turno foi visto como “natural” e com “tranquilidade” pelo setor.

O ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, coordenador do Centro de Agronegócios da Fundação Getulio Vargas, afirmou que as propostas de Marina já estavam “alinhadas” com as dos representantes. O candidato a vice-presidente na chapa de Marina, Beto Albuquerque (PSB), foi quem fez a ponte da campanha com ruralistas, numa série de encontros com empresários do agronegócio. Foi ele quem também adaptou o programa de governo para atender a sugestões de Rodrigues.

— Não vejo problemas (na aliança) Acho tranquilo. (Eles) Estão muito bem alinhados — disse o ex-ministro, que ponderou, entretanto, que os votos já foram decididos: — Tenho a impressão de que quem tinha que decidir seu voto já decidiu, mas é importante uma candidata de oposição, como foi a de Marina, somar com a outra (de Aécio).

O presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Gustavo Junqueira, também afirmou ter visto com naturalidade o apoio para o segundo turno. Durante a campanha, a entidade promoveu encontros com os principais candidatos. Beto Albuquerque foi quem articulou a conversa com a SRB. Marina não compareceu à reunião.

Dois pontos polêmicos do programa dela foram esclarecidos insistentemente durante a campanha, seguindo recomendações do ex-ministro: a meta de desmatamento zero e o índice de produtividade de propriedades rurais, que é utilizado em casos de desapropriação. Foram os acenos finais da campanha socialista que tranquilizaram os empresários.

— Já havia uma expectativa de que esse apoio fosse acontecer e aconteceu naturalmente. Não houve surpresa, e recebemos com tranquilidade. Tanto a questão da sustentabilidade quanto da reforma agrária, que ela colocou para a campanha do Aécio, já haviam sido discutidos antes com a própria equipe da Marina e já havia um alinhamento sobre essas questões.

Na região do agronegócio e onde haverá segundo turno para eleição de governador, Marina ainda é vista com um pouco de desconfiança, porém, ao lado de Aécio, a preocupação fica menor.

CANDIDATOS “BEM ALINHADOS”

O diretor da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), Almir Dalpasquale, afirma que é preciso pensar no progresso do país.

— As preocupações que tivemos com ela foram quando ela passou pelo governo do PT e infernizou o agronegócio de forma desequilibrada, não pensando no progresso e no futuro do Brasil. Se fossem levados, na ponta da caneta, inúmeros processos, principalmente na área de energia elétrica, de quando ela era ministra do Meio Ambiente, acho que hoje estaríamos com lampião aceso em muitas cidades desse país. Tivemos problemas com ela? Sim, mas hoje temos que pensar na união que possa trazer resultados de progresso e pensar na construção do país como um todo — afirmou Dalpasquale.

Para ele, o apoio de Marina a Aécio também foi natural e já esperado. Os escândalos recentes que envolvem o PT reforçaram a posição do setor regional, que declara voto no tucano.

— Nos últimos dias, as revelações que envolvem o PT, partido da presidente Dilma, deixa uma certa apreensão para a população e para o agronegócio. Então, há tendência de votarmos no Aécio, já que nossas conversas com o Beto e com o senador estão bem alinhadas. Há um sentimento de mudança. Se o segundo turno, fosse entre Dilma e Marina, seria Marina que teria os votos do agro — afirmou Dalpasquale.

Aécio diz que Marina representa população que quer mudança

Aécio: “Marina representa o sentimento de uma parcela muito expressiva da sociedade brasileira, que quer voltar acreditar na política”.

Eleições 2014

Fonte: PSDB

Aécio: Marina representa população que quer mudança

Aécio em visita ao Santuário de Aparecida: “Hoje sob as bênçãos da nossa padroeira é um dia glorioso para nossa caminhada”. Foto: Marcos Fernandes.

Aécio sobre o apoio de Marina: “Somos um só corpo, um só projeto”

O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, agradeceu publicamente o apoio recebido da presidenciável do PSB, Marina Silva, nesse domingo (12/10), e disse que a atitude representa um novo momento de sua caminhada no segundo turno da eleição. Em entrevista após a visita ao Santuário de Aparecida (SP), no Dia da Padroeira, ele explicou que o Brasil tem a oportunidade de encerrar um ciclo perverso de governo, que fracassou na gestão do Estado e nos compromissos éticos e sociais com a população.

“Portanto, hoje sob as bênçãos da nossa padroeira, é um dia glorioso para nossa caminhada. Recebo com muita emoção e com enorme responsabilidade a manifestação da companheira Marina Silva. A partir de agora, somos um só corpo, um só projeto em favor do Brasil e em favor dos brasileiros”, afirmou. “Marina representa o sentimento de uma parcela muito expressiva da sociedade brasileira, que quer voltar acreditar na política como um instrumento de transformação da vida das pessoas”, acrescentou.

Aécio já havia recebido o apoio do PSB e também de outros partidos que tiveram candidatos presidenciais no primeiro turno, como PV e PSC, além do PPS, que apoiou Marina na fase inicial da disputa. Para Aécio, a aliança que se forma em torno de seu nome é que cria esse novo momento de sua campanha. “A minha candidatura não é mais a candidatura de um partido político, não é a candidatura sequer de uma aliança partidária. É uma candidatura que representa o profundo sentimento de mudança que hoje se alastra pela sociedade brasileira”, disse.

Ele destacou a responsabilidade que esses apoios representam. “Saberei conduzir esta bandeira com dignidade, retidão e com coragem. Porque o que está em jogo não é a eleição de um candidato, a derrota de uma candidata ou vice versa. O que está em jogo é algo muito mais valioso”, afirmou. Para Aécio, o Brasil tem a possibilidade de se reencontrar com seu próprio futuro e de “encerrar este ciclo perverso de governo que aí está, que fracassou na economia, na gestão do Estado, na busca pela melhora dos nossos indicadores sociais e – o que é mais grave – nos  exemplos éticos e morais que deveria dar aos brasileiros, para podermos iniciar um novo e virtuoso ciclo, onde a decência e a eficiência possam caminhar juntos”.

Aécio saudou a chegada de Marina à campanha do segundo turno, “dos seus valores, do seu imenso amor ao Brasil, da sua historia de vida”. “Eu recebo com enorme alegria a manifestação que houve [de Marina neste domingo]”, disse. O candidato afirmou que conversou por telefone com a ex-senadora na noite de sábado (11/10), ocasião em que ela antecipou a decisão de apoiá-lo.

“Obviamente não cabia a mim anunciá-la antes dela própria. Pelo contrário, respeitar o seu tempo. Ela é representante de um segmento de pensamento na sociedade brasileira e teve as etapas de conversas com aqueles que a acompanham”, afirmou.

Para o candidato da Coligação Muda Brasil, a atitude de Marina vai além do apoio eleitoral. “É uma decisão que engrandece a boa política brasileira, e acredito que nós iniciamos já essa reta final e decisiva do segundo turno demonstrando que o Brasil tem possibilidades não apenas de vencer o atual governo que aí está, que demonstra desespero em todas as suas últimas ações para se manter no poder, como temos as melhores condições para governar juntos o Brasil.”

Aécio disse que seu plano de governo e o de Marina têm convergências e lembrou do documento entregue no sábado aos integrantes do PSB que o apoiaram, no Recife (PE). “E aqui uma palavra também pública de agradecimento à manifestação, não apenas do PSB nacional e local que eu já havia feito, mas a Renata Campos, viúva do meu amigo Eduardo Campos, e de toda a sua família. Foi, para mim, um momento extremamente marcante”, disse.

Dilma nervosa

Aécio foi perguntado sobre os ataques que vem recebendo da campanha da campanha da petista Dilma Rousseff, entre eles a afirmação de que seu primeiro cargo público, na década de 1980, na Caixa Econômica Federal, foi por indicação política. Ele disse que a candidata demonstra nervosismo e desespero. “Nós estamos vendo uma candidata desesperada, à beira de um ataque de nervos. Os ataques que ela tem a me fazer, na verdade, estão no meu currículo. Eu ocupei todos os cargos públicos com extrema dignidade, aqueles para os quais fui nomeado e aqueles que, durante 30 anos, eu ocupei pelo voto popular”, afirmou.

Na sequência, ele comparou sua vida pública com a carreira política de Dilma: “Uma trajetória muito diferente, poderíamos dizer até oposta à dela, que construiu toda a sua vida pública por indicações. Não considero isso um demérito, talvez a grande diferença seja que, em todos os cargos que ocupei, eu os honrei, agi com dignidade e com decência. Não podemos dizer a mesma coisa dos indicados da presidente da República,  podem escolher a área. Se não tiver te ocorrendo nenhuma, podemos escolher a Petrobras mesmo”.

Há convergências entre Aécio e Marina, diz Aloysio Nunes

Aloysio Nunes: “Tanto nós como Marina, a Rede e o PSB, queremos encerrar essa fase da política brasileira e tocar para frente”, disse.

Eleições 2014

Fonte: Jogo do Poder

Aloysio Nunes: há convergências entre Aécio e Marina

Aloysio Nunes frisou que, embora Aécio e Marina sejam de partidos diferentes, ambos defendem a alternância de poder. Foto: Emiliano Capozoli

Aloysio Nunes: há convergências entre Aécio Neves e Marina Silva

O senador Aloysio Nunes, vice na chapa de Aécio Neves à Presidência, afirmou, nessa quinta-feira (09/10), que seu partido irá buscar convergências com o programa de governo defendido por Marina Silva, candidata do PSB à Presidência da República. Segundo ele, o conteúdo programático do candidato pela Coligação Muda Brasil é próximo ao que defende Marina.

“De modo que essa convergência pode ser feita com muita naturalidade”, afirmou Aloysio Nunes. Ele frisou que, embora Aécio e Marina sejam de partidos diferentes, ambos defendem a alternância de poder. “Tanto nós como Marina, a Rede e o PSB, queremos encerrar essa fase da política brasileira e tocar para frente.”

Aloysio Nunes afirmou que Marina teve uma “campanha valorosa” à Presidência da República no primeiro turno e ressaltou sua força eleitoral. “Ela [Marina Silva] tem uma presença política forte no Brasil.”

Ele ressaltou que as candidaturas de Aécio e Marina se consolidaram no campo da oposição. “Temos o dever, agora no 2º turno, de viabilizarmos esse enorme desejo de mudança que existe no Brasil”.

PROS

Ao lado de Aloysio Nunes, o vice-presidente nacional do PROS, o senador Ataídes Oliveira (TO), anunciou nesta quinta-feira seu apoio à Coligação Muda Brasil. Durante o encontro, Ataídes afirmou que o Brasil está passando por um “momento de desmoralização política” e de “instabilidade econômica” e que Aécio é o candidato “mais preparado” para fazer a mudança que o país necessita.

“Precisamos fazer uma ruptura com o sistema político implantado por esse governo há mais de 13 anos. Não tenho dúvidas, conhecendo o presidente Aécio, que ele está preparado, junto com Aloysio Nunes, para fazer essa ruptura que nosso povo espera”, disse o senador.

Aloysio Nunes agradeceu, em nome de Aécio, o apoio, destacando que o Estado do Tocantins representa uma força política importante. “Com esse apoio do eleitorado de Tocantins queremos mudar o Brasil”.

Aécio diz ter convergência com propostas de Marina

Aécio Neves salientou estar aberto para conversar com a socialista sobre um projeto para o Brasil e aprimorar suas propostas.

Aécio presidente

Fonte: Jogo do Poder

Aécio diz que tem convergência com Marina Silva

Aécio contou ter conversado com Marina Silva e que respeita o tempo de cada um para analisar o cenário político nacional. Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Aécio afirma ter absoluta convergência com as propostas de Marina para o Brasil

Nesta segunda-feira (06/10), em São Paulo, o candidato da Coligação Muda Brasil à Presidência da República, Aécio Neves, ressaltou haver convergências de propostas entre sua candidatura e a de Marina Silva, do PSB – terceira colocada na corrida presidencial. Ele salientou estar aberto para “conversar sobre um projeto para o Brasil” e aprimorar suas propostas.

“Vejo absoluta convergência com aquilo que pensamos e com aquilo que queremos para o Brasil. Se vocês avaliarem os nossos programas vão encontrar muito mais pontos de convergências do que pontos divergentes”, afirmou Aécio referindo-se às propostas de Marina.

Aécio contou ter conversado com Marina Silva e que respeita o tempo de cada um para analisar o cenário político nacional. “Recebi hoje, pela manhã, de forma muito honrosa para mim, um telefonema da ex-ministra Marina Silva, me cumprimentando pelo resultado da eleição”, afirmou.

“Retribui também, cumprimentando-a pela sua luta, pela sua campanha. Temos agora que dar tempo ao tempo. Cada liderança saberá o tempo de tomar uma decisão, e qual será essa decisão. Não me cabe avançar nesse tema. Todos aqueles que têm, como nós, o sentimento de que o Brasil precisa mudar para avançar, serão muito bem-vindos nessa caminhada”, afirmou.

´Monstros do presente’

Aécio Neves também criticou declaração dada pela candidata à reeleição à Presidência da República, Dilma Rousseff (PT), no domingo (05/10). “[O que] me surpreende abrir os jornais e ver a candidata oficial falar de ‘fantasmas do passado’. Na verdade, os brasileiros estão muito preocupados com os monstros do presente – inflação alta, recessão e corrupção. Para enfrentar isso é que nos preparamos”, considerou.

O candidato aproveitou a oportunidade para fazer um convite à Dilma: realizar uma campanha de alto nível, propositiva e à altura do que os brasileiros esperam de um presidente da República.

“Temos projetos que se diferem em vários aspectos e é hora dessas diferenças serem explicitadas. Da minha parte, sempre com enorme respeito. Até porque, ao respeitar o adversário, você respeita a própria democracia”, acrescentou.

Aécio pede união da oposição

Aécio Neves (PSDB) pediu uma união da oposição, enquanto Marina, em entrevista coletiva em São Paulo sinalizou uma tendência ao tucano.

Eleições 2014

Fonte: O Globo 

Aécio pediu apoio da oposição e sinalizou a candidata derrotada no primeiro turno, Marina Silva. Foto: Joel Silva/Folhapress

Aécio pediu apoio da oposição e sinalizou a candidata derrotada no primeiro turno, Marina Silva. Foto: Joel Silva/Folhapress

Dilma convoca Lula, Aécio pede união da oposição e Marina sinaliza apoio ao tucano

Marina deixou claro que entendeu o desejo de mudança manifestado pelos eleitores

O eleitores brasileiros decidiram, neste domingo, que PT e PSDB farão, pela quarta vez na História, uma disputa pelo segundo turno da Presidência, marcada para 26 de outubro. Candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), fez seu discurso para comentar o resultado do primeiro turno, agradecendo, especialmente ao PT e ao ex-presidente Lula. Já Aécio Neves (PSBD) pediu uma união da oposição, enquanto Marina, em entrevista coletiva em São Paulo sinalizou uma tendência ao tucano. Perguntada se vai assumir uma neutralidade como em 2010, a candidata do PSB, que ficou em terceiro lugar, fez uma pausa e respondeu: “Minha postura quando não foi feito o registro da Rede pode ser uma tendência. Assumi um compromisso com a mudança. O que determinou compromisso com Eduardo Campos foi com o programa”.

Por volta das 22h, em Brasília, Dilma comentou os 41,55% dos votos que recebeu, que lhe garantiram uma vaga no segundo turno.

— Sem o presidente Lula, eu não teria chegado aonde cheguei. Não teria conseguido realizar meu sonho de fazer um Brasil melhor. Como dizíamos, a luta continua, uma luta que, sem dúvida, será vitoriosa, porque é a luta do povo brasileiro — comentou Dilma, agradecendo, ainda, aos aliados. — Queria cumprimentar meu vice-presidente, Michel Temer.Rui Falcão e o presidente do PC do B, Renato Rabello.

Aécio Neves (PSDB), por volta das 21h, em Belo Horizonte, fez o primeiro comentário sobre os quase 34% de votos que recebeu no país e que o levaram ao segundo turno em uma virada sobre Marina.

— Eu me sinto extremamente honrado em poder representar esse sentimento. É o projeto dos brasileiros que querem ver o Brasil voltando a crescer, gerando empregos — disse o candidato ao lado de sua mulher, Letícia, e de Antonio Anastasia, senador eleito em Minas. — O êxito da campanha foi a verdade, temos o melhor projeto para o Brasil. A partir de amanhã (segunda-feira), vamos intensificar a campanha, é a hora de renovar forças.

Dilma foi recebida no palaque e foi interrompida em alguns momentos por militantes, que gritavam o bordão “O povo unido jamais será vencido”.

— Mais uma vez, o povo brasileiro me honrou com sua confiança ao me dar a vitória nesta disputa de primeiro turno. Na nossa trajetória, é a sétima vitoria: duas da primeira eleição do presidente Lula, duas da segunda eleição dele, duas da minha eleição e, agora, neste primeiro turno. Ao celebrar essa vitória, minhas palavras são de agradecimento, porque temos obrigação de agradecer ao eleitor, que saiu de suas casas e foram às urnas registrar seus votos. Sinto-me fortemente como se deles eu tivesse recebido uma mensagem, um recado simples que eu devo seguir em frente, que eu devo continuar nessa luta com cada um desses eleitores.

Nas últimas pesquisas, o tucano superou Marina Silva (PSB) e o resultado se repetiu nas urnas.

— Vamos acreditar que é possível, como sempre acreditei — comentou, com muita confiança, citando seu avô, Tancredo Neves, e deixando em aberta a opinião sobre um possível apoio de Marina. — Como dizia meu avô, não vamos nos dispersar, estamos no meio da caminhada. Todos aqueles que tiverem contribuição são bem-vindos. Queremos dar um governo honrado e digno.

Apesar de não ter sido claro sobre um pedido de apoio a Marina, ele homenageou Eduardo Campos, morto em agosto, e comentou a perda de Pimenta da Veiga no governo de Minas.

— Quero aqui, desde já, deixar uma palavra de homenagem muito pessoal, a um homem público muito honrado que foi abatido no meio da campanha: Eduardo Campos. A ele minha reverência — disse, enviando também palavras ao candidato eleito ao governo, Fernando Pimentel. — Ao novo governador de Minas Gerais, pelo amor que tenho por este estado, que tenha êxito.

Marina deixou claro que entendeu o desejo de mudança manifestado pelos eleitores:

— A postura que eu tive quando não foi aceito registro da Rede pode ser uma tendência. Eu assumi um compromisso com a mudança indo apoiar o Eduardo Campos (…) O Brasil sinalizou que não concorda com esse projeto, que quer uma mudança qualificada, temos uma clareza do que representamos. Nós vamos fazer essa discussão, os partidos individualmente e depois vamos dialogar, mas estatisticamente a sociedade mostra isso, não há de tergiversar com o sentimento de 60% dos eleitores — disse ela.

Eleições 2014: Aécio tem potencial de crescimento alto e deve subir mais até o dia das eleições

Aécio Neves se destaca especialmente entre os moradores do Sul, entre os do Centro-Oeste, entre os católicos e entre os mais velhos.

Eleições 2014

Fonte: Folha de S. Paulo

Aécio ainda crescerá mais até o dia das eleições

Aécio atrai 60% dos peemedebistas e o fato de Marina ter mudado de estratégia são fatores preponderantes a alavancada do tucano. Foto: George Gianni

Aécio tem potencial de crescimento um pouco superior ao de Marina

Números podem levar PT a questionar se de fato foi uma boa estratégia a desconstrução da rival do PSB

A pesquisa divulgada nessa quinta (2) pelo Datafolha, assim como esta análise, foram feitas antes do último debate entre os candidatos.

Qualquer tipo de influência do evento sobre a corrida presidencial será captada no levantamento cujas entrevistas serão realizadas entre esta sexta (3) e a manhã de sábado. Possíveis movimentos que ocorrerão a partir daí apenas as urnas revelarão.

Mas é importante registrar as marcas com que os candidatos chegaram ao confronto na TV para justamente medir se haverá ou não algum impacto na disputa.

Constatar, por exemplo, que no dia e nos momentos que antecederam o programa a taxa de intenção de voto total em Dilma Rousseff (PT) mantinha-se no patamar dos 40%, a seis pontos de uma vitória no primeiro turno.

E que Marina (PSB) e Aécio (PSDB) entraram no debate tecnicamente empatados, situação inédita desde agosto, logo depois da morte de Eduardo Campos, quando a ambientalista ainda não tinha oficializado sua candidatura.

Dependendo da repercussão e da percepção do eleitorado sobre o saldo de desempenho dos candidatos nesta reta final, as tendências atuais das curvas podem se intensificar até o dia da eleição.

Ou, ao contrário, se algum fato sensibilizar segmentos com peso quantitativo relevante, refluxos podem ser cogitados. Numa eleição presidencial onde, pela primeira vez, a maioria do eleitorado possui ao menos o nível médio de escolaridade, a velocidade da informação não pode ser subestimada como componente decisivo na elaboração do voto.

Mas, caso nada impactante aconteça, esperam-se para a véspera da eleição variações de Dilma entre 38% e 43%, de Marina entre 22% e 27%, e de Aécio entre 19% e 25%. Como se observa, os dois candidatos da oposição possuem evidente zona de sobreposição entre suas projeções, o que indica decisão apertada no dia do pleito.

Com o acirramento na disputa pela vaga de adversário de Dilma no segundo turno, vale uma análise mais atenciosa dos cenários.

No primeiro momento, tem-se a impressão de equilíbrio também na etapa final. Tanto Marina quanto Aécio alcançam 41% das intenções de voto, ante 48% da atual presidente.

Porém o espaço para crescimento de ambos é um pouco diferente. Se a ex-ministra possui uma vantagem numérica de três pontos percentuais nas intenções de voto no primeiro turno, a tendência se inverte pró-tucano quando o assunto é o potencial total das candidaturas no segundo.

Considerando-se a taxa de rejeitadores que conhecem de fato cada um dos candidatos –os “causa perdida”-, sobraria para Aécio Neves um potencial total de crescimento máximo de 27 pontos, ante 24 de Marina. Para Dilma, neste momento, o espaço é de 11 pontos.

Também é interessante perceber os contrastes de perfil dos eleitores da oposição para a etapa final.

No segundo turno, Marina atrai um pouco mais os jovens, os que vivem nas capitais e os evangélicos, enquanto Aécio se destaca especialmente entre os moradores do Sul, entre os do Centro-Oeste, entre os católicos e entre os mais velhos.

A ambientalista consegue no segundo turno 55% dos que pretendem votar no tucano na primeira etapa. Já o ex-governador de Minas chega a captar 60% dos que optam pela ex-ministra agora no dia 5.

Aécio atrai 60% dos simpatizantes do PMDB em um confronto direto contra Dilma, enquanto Marina leva 49% desse segmento. Números que podem levar petistas a questionar se de fato foi uma boa estratégia a desconstrução feroz de Marina Silva.

Aécio está confiante em chegar ao segundo turno

Aécio: “A curva da nossa candidatura é ascendente. Sempre acreditei na consistência da nossa proposta. Sou desde sempre oposição.”

Eleições 2014

Fonte: O Globo

Aécio mantém confiança no 2º turno

Aécio Neves (PSDB) no último debate na TV antes do primeiro turno das eleições. Foto: Marcelo Carnaval / Agência O Globo

Após debate, Aécio garante estar confiante em chegar ao segundo turno

Sem citar as adversárias Dilma e Marina, tucano afirma que representa o melhor projeto para o Brasil

O senador Aécio Neves, candidato à Presidência pelo PSDB, demonstrou confiança na ida ao segundo turno, em entrevista coletiva após o debate da TV Globo, na noite desta quinta-feira.

— As pesquisas apontam na possibilidade concreta e cada vez maior de estarmos no segundo turno. Curva da nossa candidatura é ascendente. Sempre acreditei na consistência da nossa proposta. Sou desde sempre oposição a tudo isso que vem acontecendo no Brasil nós últimos anos. As informações que tenho de tracking já mostram um empate numérico (entre ele e Marina).

Sem citar as principais adversárias, a presidente Dilma Rousseff (PT) e a candidata do PSB, Marina Silva, Aécio afirmou que representa “o melhor projeto para o Brasil”.

— Temos o melhor projeto para o Brasil. Não foi construído no improviso e nem significa a continuidade desse modelo que nos trouxe a mais perversa das heranças: crescimento pífio, recessão técnica na economia, inflação alta, perda de credibilidade e denúncias de corrupção que não cessam nunca.

Ao ser questionado sobre “a possibilidade pequena” de ficar fora do segundo turno, Aécio brincou e lembrou as adversidades enfrentadas ao longo da campanha:

— Essa possibilidade pequena a que você (repórter) se refere é música para os meus ouvidos, depois do que nós andamos passando por aí. Não penso em nova eleição, penso nessa eleição.

Datafolha: Aécio empata com Marina e deve estar no 2º turno

Pesquisa Datafolha revela empate técnico entre Aécio e Marina. Embate leva o tucano ao segundo turno.

Eleições 2014

Fonte: PSDB

Datafolha: Aécio empatado com Marina e deve ir para 2º turno

Tucano está confiante na disputa.Tucano está confiante na disputa. Foto: Reprodução Estadão.

Datafolha confirma empate entre Aécio Neves e Marina Silva

Candidato mineiro registra mais um crescimento na reta final da campanha

O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, a candidata do PSB, Marina Silva, estão tecnicamente empatados na disputa pela vaga no segundo turno das eleições presidenciais, mostra pesquisa Datafolha divulgada nessa quinta-feira (2/10). Em relação ao levantamento da última terça-feira (30/09), as intenções de votos em Aécio cresceram um ponto percentual, alcançando 21%, enquanto Marina assistiu a mais uma queda de um ponto percentual, ficando em 24%. A candidata do PT, Dilma Rousseff, manteve 40% das intenções de votos.

O Datafolha fez simulações de dois cenários para o segundo turno: Dilma e Aécio e Dilma e Marina. Nos dois cenários, Dilma teria 48% dos votos e Aécio e Marina teriam 41% dos votos.

O Ibope também divulgou nova pesquisa hoje. Aécio Neves manteve os 19% das intenções de votos da pesquisa de terça-feira. Marina Silva oscilou para baixo, caindo de 25% para 24%. No segundo turno, na disputa com Aécio Neves, a petista teria 46% dos votos e Aécio, 33%.

Dados

O Datafolha realizou 12.022 entrevistas em 433 municípios por encomenda da Folha em parceria com a TV Globo. Os eleitores foram ouvidos nesta quarta (1) e nessa quinta (2). O nível de confiança é de 95%, e a margem de erro é de 2 pontos percentuais para cima ou para baixo.

Já o Ibope ouviu 3.010 eleitores entre os dias 29 de setembro e 1.º de outubro. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, em 100 pesquisas feitas com a mesma metodologia, 95 terão resultados dentro da margem de erro prevista pelo instituto.

Aécio tem forte reação e avança 8 pontos em São Paulo

Pesquisa Datafolha indica forte crescimento de Aécio Neves em São Paulo e aponta empate com Dilma Rousseff na corrida presidencial.

Eleições 2014

Fonte: Folha de S.Paulo

Aécio tem forte reação em São Paulo e avança 8 pontos

Datafolha apontou empate entre Aécio e Dilma Rousseff, em São Paulo. Foto: Marcos Fernandes

Crescimento em SP empurra Aécio na disputa com Marina

Candidata do PSB ainda lidera no Estado, com 31%, acima de sua média nacional, mas perdeu 11 pontos em um mês

Tucano aproveitou força estadual do PSDB e tem os mesmos 26% da petista.

DE SÃO PAULO

Aécio Neves (PSDB) teve forte reação em São Paulo e empatou com Dilma Rousseff (PT) nas intenções de voto de paulistas para presidente.

Pesquisa Datafolha concluída na terça-feira (30) põe o tucano e a petista empatados no Estado com 26%.

A liderança ainda é de Marina Silva (PSB), com 31%. Mas a ex-senadora vem perdendo votos para o tucano.

As intenções de voto dos paulistas em Aécio superam a média dele no país, de 20%.

O resultado de São Paulo é relevante porque o Estado detém pouco mais de um quinto dos eleitores brasileiros. Assim, cada ponto conquistado –ou perdido– tem forte influência na eleição.

Há um mês, Aécio tinha 18%. Marina, 42%. Desde então, ela perdeu 11 pontos, enquanto Aécio avançou 8.

Dilma foi de 23% para 26%, dentro da margem de erro de dois pontos da pesquisa.

Para Mauro Paulino, diretor-geral do Datafolha, esse avanço de Aécio tem dois motivos: a presença forte do PSDB no Estado (o tucano Geraldo Alckmin lidera com 49% para governador); e a forte rejeição de 42% a Dilma.

Apesar de ainda liderar (acima de sua média nacional, de 25%), Marina teve aumento de seu índice de rejeição. Há um mês, 13% diziam que não votariam nela de jeito nenhum. Agora, são 21%.

A rejeição a Aécio (20%) é a mesma de 30 dias atrás.

A aversão à ex-senadora acompanha os ataques de seus adversários que tentam desconstruir seu discurso de nova política e mostrar que são mais preparados.

%d blogueiros gostam disto: