Arquivos do Blog

Eleições 2014: Revista que faz ligação de Cid Gomes a Petrobras é proibida

A pedido do governador do Ceará, Cid Gomes, juíza de Fortaleza determinou retirada de circulação da edição desta semana da revista “IstoÉ”.

Eleições 2014

Fonte: Folha de S. Paulo

Revista que faz ligação de Cid Gomes a Petrobras é proibida

Justiça do Ceará proíbe circulação de material da revista Isto É sobre Cid Gomes e seu envolvimento com a estatal Petrobras. Foto: Agência Brasil.

Justiça proíbe circulação da ‘IstoÉ’ a pedido do governador do Ceará

Juíza de Fortaleza manda recolher edição que apontou envolvimento de Cid Gomes no caso Petrobras

Cid afirma que está processando a revista por calúnia; advogado da ‘IstoÉ’ diz que vai recorrer da decisão

A pedido do governador do Ceará, Cid Gomes (Pros), uma juíza de Fortaleza determinou a retirada de circulação da edição desta semana da revista “IstoÉ”.

Reportagem da revista citou o governador do Ceará como um dos listados pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa como envolvido em um suposto esquema de corrupção na estatal.

Cid movera na sexta (12) uma ação cautelar contra a Três Editorial, que publica a “IstoÉ”, para impedir a veiculação da revista que chegaria às bancas no fim de semana. A juíza Maria Marleide Queiroz, da 3ª Vara de Família de Fortaleza, deferiu uma liminar na noite de sexta-feira.

A editora foi proibida de comercializar a revista sob pena de pagar uma multa diária de R$ 5 milhões e foi instada a tirar de circulação os exemplares já distribuídos.

A magistrada decretou segredo de Justiça no processo.

A Três Editorial foi notificada no sábado (13), quando a revista já estava nas bancas. No site de “IstoÉ”, o link para a reportagem diz que o texto foi retirado do ar por decisão da juíza: “A revista estuda medida judicial que garanta seu direito constitucional de informar à sociedade assuntos de interesse público”.

O advogado Alexandre Fidalgo, da Três, afirmou que a editora está “tomando providências” para atender a determinação judicial e que entrará com recurso “para combater esse ato censório”.

Em nota divulgada nessa segunda-feira (15), Cid informou que está processando a revista por calúnia, difamação e dano moral e declarou ser vítima de uma “armação” criada por adversários para interferir na disputa eleitoral.

Na nota, o governador do Ceará afirmou que não tem e nunca teve “qualquer envolvimento nem qualquer tratativa pessoal com o citado ex-diretor da Petrobras“.

Segundo Cid, “esta clara fraude envolvendo o meu nome em véspera de eleição repete prática imunda que já tive de enfrentar quatro anos atrás, quando da publicação de invenções envolvendo meu nome e o nome do meu irmão, Ciro Gomes, que se revelaram completamente falsas”.

O diretor-executivo da ANJ (Associação Nacional de Jornais), Ricardo Pedreira, classificou a decisão da Justiça de “absurda” e “lamentável”.

“Políticos fazem esses pedidos em período eleitoral e a Justiça infelizmente os acata, num ato de censura. São decisões de primeira instância, que geralmente são reformadas no recurso, mas o mal já foi feito, porque o cidadão já foi prejudicado no seu direito de ser informado”, disse.

Anúncios

Mais médicos: Ceará é o estado que mais receberá profissionais

Mais médicos: segundo o Ministério da Saúde, estado receberá 91 médicos. Número ainda é insuficiente. 

Fonte: G1

Ceará é o estado que mais receberá profissionais pelo Mais Médicos

Segundo o Ministério da Saúde, 91 médicos irão a 43 cidades do Ceará.

Em todo o Brasil, 1ª rodada do Mais Médicos seleciona 938 profissionais.

O Ceará é o estado brasileiro que mais vai receber profissionais da 1ª rodada do Mais Médicos. Segundo o Ministério da Saúde, o Ceará receberá 91 médicos, que serão distribuídos em 43 cidades. Fortaleza receberá o maior número, 21. (Confira abaixo as cidades contempladas e o número de médicos que cada uma vai receber.) Bahia receberá 85 médicos; Maranhão, 70; e Pernambuco, 55.

“Essa quantidade de 91, para a demanda que os municípios colocaram, ainda é insuficiente, esperamos que eles possam indicar outros profissionais para virem ao Ceará. Mas já é um começo, nós também interiorizamos médicos do estado”, avalia o secretário da Saúde do Ceará, Arruda Bastos.

Ainda de acordo com Ministério da Saúde, a lista de cidades prioritárias é feita com base na carência de profissionais de cada município. Fortaleza receberá o maior no Ceará devido ao grande número de transferência de pacientes do interior para a capital.

Em todo o Brasil, apenas 938 profissionais brasileiros selecionados para o primeiro ciclo de contratações do Mais Médicos confirmaram interesse em trabalhar em municípios que aderiram ao programa. Isso representa 6% dos 15.460 médicos requisitados pelos municípios inscritos.

Segundo o ministério, os brasileiros selecionados optaram por apenas 404 dos 3.511 municípios do interior do país e de periferias de grandes centros urbanos que demandaram médicos do programa federal. Os 938 selecionados representam apenas 5,6% dos 16.530 brasileiros inicialmente inscritos. Outros 1.920  inscritos, estrangeiros ou brasileiros formados no exterior, só agora poderão ser chamados.

Baixa adesão
Diante da baixa adesão, o Ministério da Saúde decidiu permitir que os profissionais brasileiros que já escolheram um município para trabalhar, mas não haviam homologado a presença ou não foram alocados, possam escolher novos locais para atuar durante o contrato de três anos. Eles terão até a próxima quinta (8) para fazer uma nova escolha.

Simultaneamente a esse prazo, o governo irá selecionar os profissionais do exterior que se inscreveram para o Mais Médicos. Os 1.920 candidatos com registro profissional no exterior também terão até quinta para escolher municípios, habilitando-se às vagas dispensadas por brasileiros. A relação dos estrangeiros que serão contratados será publicada em 13 de agosto.

O ministro Alexandre Padilha informou que os médicos já selecionados começarão a trabalhar a partir do dia 1º de setembro.

Quase metade dos médicos brasileiros que haviam chegado à penúltima etapa do processo seletivo não confirmaram o interesse de participar do Mais Médicos. Na última quinta (1º), o ministério havia selecionado 1.753 profissionais com diploma no Brasil para trabalhar no programa. Para assegurar as vagas, eles tinham apenas de confirmar até sábado (3) se aceitavam a opção apontada pelo governo. Porém, 815 médicos não completaram essa fase.

Padilha disse que o governo irá usar todas as estratégias à disposição para preencher as 15.460 vagas do programa. Segundo Padilha, a partir do dia 15 de agosto, data de abertura da segunda rodada de contratações, o ministério irá investir em uma campanha para esclarecer dúvidas de profissionais brasileiros em relação ao programa e reforçar a divulgação da iniciativa fora do país.

Ceará é o estado que mais receberá profissionais pelo Mais Médicos

 Cidades contempladas e o número de médicos que cada uma vai receber

ABAIARA1
ANTONINA DO NORTE 2
APUIARÉS 1
ARACOIABA 1
AURORA 1
BARBALHA 2
BARREIRA 1
BEBERIBE 1
CANINDÉ 4
CARNAUBAL 2
CASCAVEL 6
CAUCAIA 1
CHOROZINHO 1
CROATÁ 1
FORTALEZA 21
GENERAL SAMPAIO 1
HORIZONTE 1
JARDIM 4
JUAZEIRO DO NORTE 5
MARACANAU 3
MARANGUAPE 1
MASSAPÊ 2
MAURITI 4
MONSENHOR TABOSA 1
ORÓS 1
PACAJUS 1
PACATUBA 3
PARAMOTI 1
PEDRA BRANCA 1
PENAFORTE 1
PENTECOSTE 1
PINDORETAMA 1
PORTEIRAS 1
POTENGI 1
QUIXELÔ 1
QUIXERAMOBIM 2
REDENÇÃO 1
SANTANA DO CARIRI 1
SÃO GONÇALO DO AMARANTE 1
TRAIRI 2
TURURU 1
UMIRIM 1
VIÇOSA DO CEARÁ 1

CE: homicídios cresce 23% em Fortaleza

CE: De janeiro a junho, 982 pessoas foram assassinadas na capital cearense. No interior, houve aumento de 14% no índice de homicídios.

CE: homicídios cresce 23% em Fortaleza

Fonte: G1

Número de homicídios cresce 23% em Fortaleza no 1º semestre de 2013

No interior do estado, o aumento no índice de homicídios foi de 14%.
Do primeiro para o segundo trimestre de 2013, houve queda de 10%.

Nos seis primeiros meses de 2013 o número de assassinatos em Fortaleza cresceu 23%, segundo dados estatísticos divulgados nessa segunda-feira (5) pela Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). De janeiro a junho do ano passado, 765 pessoas foram assassinadas na capital cearense. No mesmo período de 2013, o número de assassinatos foi de 982.

No interior do estado também houve um aumento, de 14%, no número de homicídios em relação ao mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2012 ocorreram 913 homícídios, número que subiu para 1.052, no mesmo período deste ano, segundo os dados da SSPDS.

Por outro lado, a Secretaria de Segurança destaca que na comparação entre o primeiro e o segundo trimestre de 2013, houve queda no número de homicídios. Segundo a SSPDS, entre janeiro e março foram registrados 1.074 crimes de morte no Ceará contra 962 nos três meses seguintes. A redução é de 10%. Na capital, os números também apontam para a diminuição dos índices, que desceram de 529 no primeiro trimestre para 454 no segundo.

Segundo o Governo do Estado,  a redução no índice de homicídios do primeiro para o segundo trimestre de 2013 se deu pelo “incremento do policiamento ostensivo nas áreas consideradas mais sensíveis pelas forças policiais (…) e pela pela desarticulação de quadrilhas e prisões de vários chefes do tráfico”.

PSB dividido: Dilma versus Eduardo Campos

PSB dividido: em Pernambuco, Eduardo Campos pede intensificação de atividades políticas. No Ceará, Dilma recebe juras de fidelidade

Dilma e Eduardo Campos

Eduardo Campos e Dilma Rousseff dividem preferência no PSB. Foto Hans von Manteuffel / O Globo

Fonte: Valor Econômico

Dividido, PSB afaga Dilma em Fortaleza e reúne parlamentares no Recife

Por Murillo Camarotto

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), reuniu ontem, no Recife, a bancada federal do seu partido para pedir intensificação das atividades políticas nos Estados visando às eleições de 2014, ano em que pretende disputar a Presidência da República. No mesmo dia, em Fortaleza, dois dos principais representantes do PSB na esfera nacional fizeram juras de fidelidade à atual ocupante do Palácio do Planalto, Dilma Rousseff.

Durante a solenidade de inauguração de duas estações do metrô de Fortaleza, Dilma ouviu muitos afagos do ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra (PSB), e do governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), ambos favoráveis à manutenção da aliança com o PT.

Cid, abertamente contrário às pretensões presidenciais de Campos, disse que o Ceará nunca teve tanta atenção de um governo como no da presidente petista. “Aprendi a conhecê-la. Sei que tem bom coração e está fazendo um país mais justo”, disse o governador, que precisa de PT e PMDB para garantir a eleição do seu sucessor no ano que vem.

Já o ministro da Integração, contumaz defensor da presidente, voltou à carga, ao dizer que, baixada a poeira das manifestações, “o trabalho do governo federal vai aparecer”. “E a primeira mulher presidenta do Brasil vai dar conta do recado”, completou ele, que sonha em ser governador de Pernambuco, mas duvida que Campos o irá indicar para o posto. Assim, prefere se garantir na Esplanada dos Ministérios.

No Recife, Campos pediu a deputados e senadores do partido que fortaleçam o trabalho nos Estados, a fim de turbinar as chapas proporcionais para as eleições. Mesmo negando ter falado abertamente em candidatura presidencial, foi com essa mensagem que os parlamentares saíram do encontro.

“Não adianta ele dizer que não é [candidato a presidente], pois a gente sabe que ele é e vai fazer o trabalho”, disse o deputado federal Gonzaga Patriota (PSB-PE). “Depois dessa reunião, saímos mais fortalecidos para buscar apoios para ele, coligações para ele, partidos para ele”, completou o parlamentar.

Questionado, Campos voltou a dizer que só tratará de candidatura em 2014. O pernambucano, entretanto, aproveitou para alfinetar o PMDB, ao ser perguntado sobre a proposta do principal aliado do governo federal para a redução no número de ministérios. “Pra você ver como são as coisas. Tem gente que faz essas sugestões no fórum adequado, para num momento como esse não tentar se aproveitar de uma fragilidade e expor mais ainda um governo que você ajudou a construir”, disparou. “Não vamos fazer a política da pegadinha e do constrangimento”, completou o governador.

Recebida em Fortaleza com protestos de médicos, indígenas e outras categorias, Dilma voltou a defender o plebiscito para definição do que chamou de “norte” da reforma política. De acordo com ela, as transformações vividas pela sociedade brasileira nos últimos anos pedem que o sistema de representação seja reformado. “O Brasil precisa adequar, atualizar e modernizar o seu sistema político”, disse.

Dilma afirmou que o referendo é a forma mais eficiente de fazer a reforma ir ao encontro dos anseios populares. “É importante que se consulte a população para ter as balizas dessa reforma. Eu diria o norte dessa reforma”, completou.

O governo federal, segundo a presidente, tem o dever de “canalizar e resolver” os problemas apontados pela população durante as manifestações que tomaram as ruas do país no mês passado. De acordo com ela, as manifestações atestam que “democracia exige mais democracia e os direitos sociais conquistados também exigem mais direitos sociais”.

Um dia após chamar para si a responsabilidade pelo controle da inflação, a presidente rechaçou o posto de comandante da economia nacional. “Eu comando o país. A economia quem comanda é o ministro [Guido] Mantega. Eu administro o Brasil”, disse ela aos jornalistas.

Minha Casa, Minha Vida: MP investiga irregularidades no Ceará

Minha Casa, Minha Vida: irregularidades teriam acontecido no período em que Fortaleza era governada por petistas.

minha casa minha vida

Fonte: O Estado de S.Paulo 

Promotoría acusa petistas de uso político do ‘Minha Casa’

Gestão do partido em Fortaleza teria favorecido filiados no programa; acusados dizem que só responderão na Justiça

Lauriberto Braga

O Ministério Publico no Ceará ingressou com ação de improbidade administrativa contra 40 pessoas que estariam envolvidas em irregularidades na execução do programa Minha Casa, Minha Vida em Fortaleza. Segundo o MP, a Fundação de Desenvolvimento Habitacional de Fortaleza (Habitafor) teria favorecido servidores da prefeitura e pessoas vinculadas ao PT.

A ação tramita na 3.ª Vara cia Justiça Federal no Ceará, que determinou a notificação dos requeridos para que se manifestem. As irregularidades teriam sido cometidas quando Roberto Márcio Dutra Gomes era presidente da Habitafor, entre 2005 e 2012 – período em que Fortaleza era governada pelos petistas. “Gomes, junto com assessores próximos, manipulou o sistema relacionado ao Minha Casa, Minha Vida com o intuito de beneficiar determinadas pessoas, em detrimento dos que necessitavam, prioritariamente, do benefício do programa””, diz na ação o procurador da República, Alexandre Meireles.

O texto destaca que foi feita a inscrição de pessoas mesmo depois de vencido o prazo de cadastramento. Procurados, os petistas acusados informaram que só vão se manifestar na Justiça, dentro do prazo de 10 dias úteis que começou a contar na sexta-feira passada.

21 Imóveis

O Ministério Público voltou-se para o caso após representação feita pelo próprio órgão envolvido, a Habitafor, no início deste ano. Ela investigava denúncia de que 21 imóveis, de um total de 80 do condomínio São Bernardo, no bairro Serrinha, teriam beneficiado pessoas ligadas à prefeitura e ao petismo. Mais de 30% desses beneficiados tinham algum tipo de vinculação com dirigentes e funcionários da Habitafor.

Segundo a ação, “além do ex-presidente da Habitafor e de funcionários da Prefeitura, as pessoas “beneficiadas de forma irregular aparecem como réus na ação”. O procurador Meireles ressalta que os indivíduos beneficiados são alcançados pela Lei de Improbidade Administrativa, que abrange qualquer pessoa que, mesmo não sendo agente público, beneficie-se do ato de improbidade.

Além da condenação dos envolvidos, o MP pede a anulação dos contratos de compra das casas concedidos irregularmente e a devolução dos imóveis à Caixa Econômica Federal ou à Habitafor, já que as unidades foram construídas com recursos de fundo gerido pelo banco.

Nordeste Notícias: PT vai acomodar os vitoriosos e consolar os derrotados

PT fechado para balanço

Fonte: Autor(es): PAULO DE TARSO LYRA Correio Braziliense

Executiva nacional do partido discute hoje o desempenho nas urnas e tenta acalmar os candidatos derrotados na eleição municipal

 

Em um espaço de apenas quatro dias, o PT vai acomodar os vitoriosos e consolar os derrotados. Hoje, a Executiva Nacional do partido reúne-se em São Paulo para fazer um balanço das eleições municipais de 2012 e acalmar sobretudo os nordestinos, que sofreram as maiores derrotas, ficando de fora das três principais capitais: Fortaleza, Recife e Salvador. Na próxima segunda-feira, o prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad, se senta com as diversas tendências para definir o espaço de cada um no futuro governo.

Durante o segundo turno, com medo de que o debate por cargos atrapalhasse a eleição de Haddad, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ordenou que as disputas cessassem para evitar o “salto alto”. Passada a vitória nas urnas, o tema está livre para ser debatido novamente. “Acomodar os aliados quando se ganha é bem mais fácil. O duro é explicar quando se é derrotado”, disse o deputado Carlos Zarattini (PT-SP), um dos coordenadores da campanha.

Segundo o secretário de Organização do PT, Paulo Frateschi, além de Haddad, caberá ao vereador Antonio Donato (PT-SP), escolhido para conduzir o governo de transição, domar o ímpeto dos aliados. O próprio Donato é um dos petistas que se empenharão em indicar apadrinhados. “A pressão é muito maior por parte dos deputados federais, estaduais e vereadores”, acrescentou Frateschi.

Apesar das declarações dadas pela ministra da Cultura, Marta Suplicy, elogiando a escolha de Haddad por Lula mas afirmando que, “com ela, a vitória poderia ter sido mais fácil”, tanto Frateschi quanto Zarattini não veem nisso uma tentativa da ministra de indicar apadrinhados para a prefeitura. Ela, ao lado do ministro da Educação, Aloizio Mercadante, e do da Saúde, Alexandre Padilha, são os principais cotados para disputar o governo de São Paulo em 2014. “Candidatos a governo precisam compor alianças e não disputar espaços na prefeitura”, completou Zarattini.

Nordeste
Já o PT derrotado começa a lamber suas feridas hoje. A Executiva Nacional do partido tentará entender por que a legenda perdeu espaço no Nordeste. Na tarde de terça-feira, senadores do PT nordestino tiveram a primeira conversa com o presidente Rui Falcão e demostraram descontentamento.

Em alguns casos, as queixas foram pela ausência de Lula nos palanques (caso de Teresina). Em outros, as reclamações envolveram os diretórios municipais, que racharam e inviabilizaram as disputas, como ocorreu em Recife. “Eu brinquei com o Falcão que o que o Pellegrino teve (Nelson Pellegrino, candidato derrotado à prefeitura de Salvador) teve este ano eu não tive em 2008. Lula foi a Salvador duas vezes e à presidente, uma. Eu tive adversários da base e nenhuma ajuda, nem federal nem estadual”, completou o líder do PT no Senado, Walter Pinheiro (BA).

O partido também começará a discutir os efeitos do mensalão. Mas uma posição oficial criticando o julgamento do Supremo Tribunal Federal só será divulgada após a dosimetria das penas, para não parecer que “queremos pressionar o STF”, alegou Frateschi.

Regressão do câncer
Três dias depois de celebrar a eleição de Fernando Haddad (PT-SP) para a prefeitura de São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemorou ontem mais uma vitória. Exames realizados no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista, confirmaram a regressão completa do câncer de laringe descoberto em outubro de 2011. O edema na garganta, resultado do tratamento para eliminar o tumor, também regrediu de forma satisfatória, segundo a assessoria de Lula. O hospital não divulgou boletim. Para que a cura seja efetivamente comprovada, os exames devem dar negativo pelos próximos quatro anos (PTL).

Nordeste Notícias: momento político em jogo

Começa o jogo

Fonte: Merval Pereira O Globo

De repente, houve percepção generalizada de que o PSB cresceu e surgiu como um dos mais importantes partícipes do jogo eleitoral. Mas ele já era partido com forte penetração no Nordeste, com seis governadores eleitos, sendo quatro nessa região: Pernambuco, Ceará, Paraíba e Piauí. O que deu caráter nacional ao PSB nesta eleição municipal foi ter enfrentado e derrotado o PT em capitais como Recife, Fortaleza e Belo Horizonte.

Mas o PSB elegeu também o maior número de prefeitos de capitais, ampliando sua atuação para o Centro-Oeste (Cuiabá) e o Norte (Porto Velho). O crescimento de mais de 40% na eleição de prefeitos – vencendo em 440 cidades – dá nova dimensão nacional ao partido, que passará a se sentir incomodado dentro do modelo de coalizão governista, um pouco sem espaço para parceiros que tenham planos de voos mais altos. Mais fácil fazer acordos com o PMDB, que tem tamanho, mas não tem unidade para lançar candidato próprio, do que com o PSB, que já tem seu candidato potencial no governador de Pernambuco, Eduardo Campos. O papel definidor do PSB pode ser exercido já nas próximas eleições presidenciais ou pode ser adiado para 2018, tudo dependendo das condições objetivas que encontrar pela frente.

As eleições municipais têm mais a ver com a composição futura do Congresso Nacional e também com a eleição de governadores do que propriamente com a próxima disputa presidencial. No entanto, a maneira como os partidos espraiam seu poder político pelo país afora é parte fundamental da logística a ser montada para 2014.

Para efeitos práticos, o que importa é a fotografia do momento, e é certo que o PMDB, com 1.026 prefeituras (168 a menos que em 2008), e PT, com 635 (91 a mais), os dois partidos que estão no poder, governarão quase 1/3 dos municípios brasileiros, o que dá à campanha de reeleição da presidente Dilma forte plataforma para eleger bancadas no próximo Congresso. A base governista tem tudo para manter o controle político no Senado e na Câmara, acrescida do PSD, que surge nesta eleição como a quarta legenda a eleger mais prefeitos, nada menos que 496 nesta sua primeira eleição.

Se somarmos a essas as prefeituras de PP (468), PDT (312) e outros partidos menos votados, teremos um quadro amplamente favorável à campanha de reeleição. Mas acontece que também a oposição manteve uma boa base eleitoral pelo país, melhorando sua posição no Norte e no Nordeste, onde o domínio do governismo era avassalador.

Com as vitórias em Manaus e Belém, no Norte, e Maceió e Teresina, no Nordeste, o PSDB fincou os pés nas regiões, onde tem os governadores de Alagoas, Roraima e Tocantins. A eleição de Arthur Virgílio em Manaus, numa revanche pessoal, depois de ter sido derrotado por Lula na eleição para o Senado em 2010, coloca-o em posição proeminente novamente no PSDB, de que já foi secretário-geral e líder no Senado. O fato de Virgilio ter uma imagem nacional – foi também ministro no governo Fernand o Henrique – dá-lhe condições de interferir nas decisões estratégicas do partido, e ele sem dúvida voltará a ser um dos principais líderes oposicionistas.

No total de prefeituras, o PSDB continua sendo o segundo partido, com 702, mesmo fora do governo há dez anos. Somadas às 278 prefeituras do DEM e 123 do PPS, a oposição tem uma boa base municipal para as futuras disputas.

O que pode desequilibrar a disputa é a decisão que o PSB de Eduardo Campos venha a tomar quanto a 2014. No primeiro momento, a tentativa será de acomodação dentro da aliança governista, até porque as definições para a disputa presidencial só ocorrerão a partir do fim de 2013. Uma aliança entre o PSB e o PSDB de Aécio Neves formaria chapa com força nas principais regiões, mas difícil será um dos dois abrir mão da cabeça de chapa.

Uma aliança hipotética no segundo turno é previsível caso Campos decida investir mesmo na carreira solo em 2014. O senador Aécio Neves pretende concorrer mesmo que a presidente Dilma continue com sua popularidade alta como hoje, sem grande abalos econômicos a enfrentar. Estaria semeando uma colheita para quatro anos depois.

Resta saber se o governador Eduardo Campos se resignará a disputar espaço com o PT e o PMDB por mais quatro anos, na esperança vã de vir a ser o candidato da coligação em 2018.

Nordeste Notícias: de olho na rede 4G, Oi e TIM

Teles anunciam contratos para instalação de rede 4G no país

Fonte: Autor(es): Bruno Rosa, Paulo Justus e Sérgio Matsuura O Globo

EUA criticam exigência do governo, de 60% de conteúdo nacional

De olho na rede 4G, Oi e TIM anunciaram ontem parcerias para o início da implementação de sua infraestrutura para atender às cotas de produção local, que estabelece que 60% da rede tenham conteúdo nacional até 2014. A Oi anunciou seus fornecedores de equipamentos, enquanto a TIM selou acordo com a Telebras para o compartilhamento de rede no Norte e no Nordeste.

Por outro lado, o presidente da Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês, órgão que regula o setor nos EUA), Julius Genachowski, fez uma crítica velada à proteção da indústria local pelo governo brasileiro. Segundo ele, o país se beneficiou da privatização das teles em 1995 e deveria continuar nesse caminho.

– Restrições a fabricantes levam (o país) em outra direção – disse Genachowski em palestra na Futurecom 2012, no Riocentro, reforçando críticas de americanos e japoneses.

Ações da Telebras dão salto de 52%

Ontem, a Oi fechou parceria com Nokia Siemens, Alcatel Lucent e Ericsson para o fornecimento de equipamentos nacionais, para sua rede 4G. Juntos, os contratos somam R$ 1 bilhão. Eles preveem a instalação de radiobases 4G nas seis cidades que irão sediar os jogos da Copa das Confederações (Rio, Recife, Belo Horizonte, Brasília, Salvador e Fortaleza) até abril de 2013. A Oi também vai levar os equipamentos para São Paulo.

James Meaney, chefe de Operações da Oi, lembra que 600 locais já foram vistoriados para receber as radiobases. Na semana passada, a tele iniciou testes pelo Leblon, zona Sul do Rio.

Já TIM e Telebras assinaram memorando de entendimentos para compartilhamento de rede, a fim de ampliar a cobertura das redes 3G e 4G. Pelo acordo, a TIM vai ceder sua rede no Amapá e Amazonas, um investimento de R$ 250 milhões que ficará pronto no fim do ano. Já a estatal vai ceder uma rede a ser construída entre Piauí e o Norte de Minas Gerais, ao longo das linhas de transmissão da Chesf e de Furnas. O anúncio do acordo fez as açõesda Telebras saltarem até 52% na Bolsa de Valores de São Paulo ontem.

O presidente da Telebras, Caio Bonilha, disse que o compartilhamento de infraestrutura é fundamental para a expansão do acesso à banda larga, principalmente na Região Norte:

– Não somos um país tão rico assim que cada empresa possa ter a sua rede, por isso precisamos compartilhar para atender à demanda – afirmou.

Bonilha se defendeu das críticas feitas ao baixo número de conexões do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). Segundo ele, o plano foi responsável por 31,5% das adições líquidas de usuários de banda larga no Brasil em seu primeiro ano de funcionamento.

A Vivo, por sua vez, já havia anunciado contrato com a Ericsson, que será responsável pelas radiobases em Fortaleza, Recife e Rio. Já a chinesa Huawei vai instalar equipamentos 4G para a Vivo nas regiões Norte e Centro-Oeste, bem como em São Paulo, Minas Gerais e Belo Horizonte.

Nordeste Notícias: pesquisas apontam para segundo turno em 16 das 26 cidades

Pelo país, disputas nas capitais estão mais acirradas

Fonte:  Autor(es): agência o globo:Paulo Celso Pereira O Globo

Pesquisas apontam para segundo turno em 16 das 26 cidades, cinco a mais do que em 2008

BRASÍLIA Se as pesquisas Ibope e Datafolha divulgadas até agora estiverem corretas, as eleições municipais deste ano serão bem mais disputadas do que as de 2008. De acordo com as sondagens mais recentes, haveria hoje segundo turno em 16 das 26 capitais. Caso esse número se confirme, será um aumento de quase 50% em relação à eleição passada. Em 2008, apenas 11 delas tiveram duas rodadas eleitorais. As grandes mudanças se deram nas regiões Norte e Nordeste. Na primeira, em 2008 ocorreu segundo turno em três capitais, neste ano deve haver em cinco; no Nordeste, apenas duas das nove capitais tiveram segundo turno em 2008, enquanto neste ano ele deve ocorrer em seis.

A alteração no quadro coincide com uma mudança no perfil do eleitorado nessas duas regiões. Evidenciadas como bunkers do lulismo desde 2006, candidatos da oposição estão em ascensão nas duas regiões. De acordo com as pesquisas, a oposição estará presente em todas as cinco capitais da Região Norte que devem ter segundo turno, sendo que, em Belém, os dois candidatos – do PSOL e PSDB – são de oposição. Há quatro anos, nenhum candidato de oposição venceu; tampouco chegou ao segundo turno nas capitais da região.

Já no Nordeste, em 2008 a oposição venceu em duas capitais no primeiro turno – sendo uma delas com o autodeclarado independente PV – e chegou ao segundo turno com apenas mais um candidato. Hoje, pelo menos até agora, tende a vencer já no dia 7 de outubro novamente em duas delas, mas deve ir para o segundo turno em todas as outras seis capitais da região cuja disputa só deverá ser concluída dia 28.

Por esses dados, não faltariam motivos para a oposição comemorar. Mas o clima não é de festa. Apesar do avanço em relação a 2008, no início da campanha, em julho, a situação dos candidatos deste campo político era muito mais confortável do que agora. O PSDB chegou a liderar com folga em Manaus, Salvador e São Luís e tinha vaga garantida no segundo turno em São Paulo, Fortaleza e João Pessoa. O quadro não é mais tão favorável.

Quem mais cresceu sobre a oposição foi justamente o PT. Há duas semanas, o partido liderava apenas em Goiânia e Rio Branco. Agora assumiu a dianteira em Salvador, Fortaleza e João Pessoa. Com isso, os petistas dividem hoje com seus arquirrivais tucanos o posto de partido que mais lidera em capitais, cada um com cinco.

– A oposição ganhou um pouco de força porque você teve várias eleições em que partidos governistas ganharam. Pode ser que essa sequência de prefeitos governistas tenha deixado o eleitorado descontente. Então, em vez de procurar outro partido governista, o eleitorado está empolgado com a possibilidade de mudança – avalia o cientista político David Fleischer, da Universidade de Brasília (UnB).

Nordeste Notícias: Eduardo Campos ao lado do Lula fragiliza o PT

Encontro expõe fragilidade da aliança de PT e PSB

Fonte: Autor(es): Tatiana Farah O Globo

Petistas montam estratégia para evitar fotos do governador Eduardo Campos ao lado do ex-presidente Lula
SÃO PAULO. Paz, pero no mucho . O almoço em clima nordestino realizado ontem, em São Paulo, para apoiar o petista Fernando Haddad e selar a paz entre o PT e o PSB, do governador Eduardo Campos (PE), foi cercado de cuidados que mostram que a crise entre os dois partidos ainda vai longe. Os petistas montaram uma estratégia para evitar que Campos produzisse imagens com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que pudessem ser usadas em Recife, em apoio ao candidato do PSB, Geraldo Júlio. O candidato do PT à prefeitura recifense, Humberto Costa, saiu satisfeito do encontro:

– Foi tudo tranquilo – disse Costa, que deixou o Centro de Tradições Nordestinas (CTN) com a promessa de que Lula irá a Recife no fim do mês.

A crise entre o PSB e o PT tem se agravado no Nordeste e em Belo Horizonte, onde Patrus Ananias (PT) disputa com o prefeito Márcio Lacerda (PSB). A prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins, também se ressente. À entrada do almoço, ela disse que o PSB deveria ter considerado onde o PT está no comando, como Fortaleza e Recife, e evitado a disputa.

Já o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), pregou paz entre as duas legendas, assim como o presidente do partido, deputado Rui Falcão.

– Temos aliados, não eunucos – disse Wagner, defendendo o direito de Campos de tentar uma candidatura em 2014.

O governador de Pernambuco afirmou que as alianças nacionais prosseguem, apesar das divergências municipais. E negou desejar se candidatar a presidente em 2014.

Os ministros Marta Suplicy (Cultura), Alexandre Padilha (Saúde) e Aloizio Mercadante (Educação) também participaram do almoço.

%d blogueiros gostam disto: