Tempos difíceis no Congresso: Dilma terá Casa ressentida e desafetos

Cenário sombrio: Derrota em 1º turno com o 3º colocado nos calcanhares de Chinaglia, traição aberta de aliados e, cereja do bolo, ausência do PT na composição da Mesa da Casa.

Uma rejeição além da esperada pelo mais pessimista dos governistas.

Fonte: Folha de S.Paulo

Dilma terá tempos difíceis no Congresso

Risco de ouvir a palavra impeachment a cada momento de agravamento das várias crises que rondam Dilma Rousseff. Foto: Wilson Dias. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Dilma terá Casa ressentida e desafeto com série de desafios

Rejeição na disputa foi além da esperada pelo mais pessimista dos governistas

A humilhação sofrida pelo governo na eleição da Câmara não poderia ser maior.

Derrota em primeiro turno com o terceiro colocado nos calcanhares de Arlindo Chinaglia, traição aberta de aliados e, cereja do bolo, ausência do PT na composição da Mesa da Casa. Uma rejeição além da esperada pelo mais pessimista dos governistas.

Agora, o governo que temia ver uma Câmara tocada por um Eduardo Cunha em modo solerte terá de lidar com uma Casa ressentida com o Planalto e um presidente com sangue nos olhos.

Foi o custo da estratégia gestada na Casa Civil de Aloizio Mercadante e operada pelo aparelho da Democracia Socialista instalado na articulação política do Planalto.

O governo optou pelo tudo ou nada contra Eduardo Cunha, um desafeto pessoal da presidente. Ganhou em troca mais dificuldade para tocar sua agenda legislativa em ano de duro ajuste fiscal.

E pior: o risco de ouvir a palavra impeachment a cada momento de agravamento de uma das várias crises que rondam Dilma Rousseff.

Não é o caso de subestimar as armas que o governo tem para conter cenários mais trágicos. Emendas parlamentares, cargos, todo o arsenal fisiológico está aí para uso. Só ficou mais caro –e arriscado.

Por fim, se certamente está irritado com a campanha violenta do Planalto contra sua candidatura, Eduardo Cunha não é um carbonário.

Está cacifado para impor seu ritmo de trabalho, o que é apontado por adversários como algo perigoso para o país, mas tenderá a compor com o governo para exercer seu poder com tranquilidade.

Cunha terá desafios. Deverá dialogar com o PT e com uma oposição mais ativa (a votação de Júlio Delgado foi significativa), mas principalmente com a nova base encarnada nas forças aglutinadas por Gilberto Kassab.

Alivia também para o governo saber que Renan Calheiros suou frio, mas permaneceu na cadeira no Senado, servindo de contraponto a iniciativas incômodas da Câmara. Seguirá assim, exceto que venha a ser abatido pela Operação Lava Jato.

Anúncios

Publicado em 02/02/2015, em Governo do PT, Petrobras, Política e marcado como , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: