Falta de governança na Petrobras provoca danos à economia

Preço do petróleo em queda põe em xeque bilionário programa de investimentos da estatal e amplia o potencial de danos em cadeia.

Petrobras representa 10% do investimento do país

Fonte: Folha de S.Paulo

Petrobras: falta de governança provoca danos à economia

Petrobras na berlinda

Novo ano, velhas tendências. O preço do petróleo desabou mais uma vez no começo desta semana, atingindo o patamar de US$ 50 por barril. Sua cotação já caiu 50% desde meados de 2014.

As ramificações desse fenômeno para os vários atores globais são amplas e ainda não plenamente entendidas. Ninguém sabe se as cifras atuais vieram para ficar, ou se a provável (mas ainda não observada) queda da produção restaurará valores mais elevados em breve.

Supõe-se, por ora, que o excesso de oferta possa ter quebrado a coordenação entre os principais países petrolíferos. Competindo entre si, aceitam diminuir os preços cobrados para preservar mercado.

Não se descarta, ademais, que produtores tradicionais estejam buscando inviabilizar projetos a princípio mais caros, como o xisto, nos EUA, ou o pré-sal, no Brasil.

Seja como for, os impactos se fazem sentir. Verdade que, no caso brasileiro, o petróleo mais barato até poderia ajudar a Petrobras, pois a estatal compra combustível no exterior para vendê-lo (agora a um preço mais alto) dentro do país.

A questão mais relevante, entretanto, diz respeito à viabilidade do programa de investimentos do pré-sal, de US$ 220 bilhões até 2018. Não por acaso as ações da Petrobras despencam na Bolsa.

Com uma dívida estratosférica, da ordem de R$ 300 bilhões, e capacidade de geração de caixa enfraquecida, será preciso fazer uma escolha decisiva. Preservar o plano de investimento é incompatível com a manutenção da qualidade do crédito da estatal. Cortá-lo, por outro lado, implicaria desistir do sonhado salto de produção a partir de 2016.

Enquanto isso, avolumam-se ações na Justiça, e a Operação Lava Jato ainda não terminou. A cadeia de fornecedores está paralisada por falta de pagamento, e a incapacidade de publicar as demonstrações financeiras pode antecipar o vencimento de dívidas.

Os royalties do petróleo escasseiam, afetando o Orçamento de Estados. O governo do Rio de Janeiro, por exemplo, calculando perdas de R$ 2,2 bilhões em 2015, anunciou significativos cortes de gastos.

A Petrobras representa 10% do investimento do país. O emaranhado de relações financeiras com outras empresas e bancos traz alto potencial de danos em cadeia, um risco que precisa ser enfrentado com agilidade e competência –sob pena de afetar a própria nota de crédito do governo brasileiro.

O Planalto, se é que se deu conta do tamanho do imbróglio, não parece ter percebido o ritmo com que se agrava. Ainda flerta com paliativos e mudanças cosméticas, mas já passou da hora de dar ao tema a prioridade que merece.

Anúncios

Publicado em 07/01/2015, em Economia, Gestão Deficiente, Gestão do PT, Governo do PT, Petrobras e marcado como , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: