IDHM sobe, mas ainda há uma discrepância em cidades

Ainda há uma discrepância muito grande nos dados de desenvolvimento humano dentro de uma mesma cidade e entre capitais e municípios do entorno.

ONU recomendou que o governo desenvolva ações voltadas às áreas mais necessitadas.

Fonte: Valor Econômico

Desigualdade entre regiões metropolitanas cai

Embora as desigualdades entre as principais regiões metropolitanas do país tenham caído entre 2000 e 2010, ainda há uma discrepância muito grande nos dados de desenvolvimento humano dentro de uma mesma cidade e também entre capitais e municípios do entorno. Diante da constatação em relatório divulgado ontem, a Organização das Nações Unidas (ONU) recomendou que o governo desenvolva ações voltadas às áreas mais necessitadas.

Foi feito um levantamento detalhado de 16 regiões metropolitanas (Belém, Belo Horizonte, Cuiabá, Curitiba, Distrito Federal, Fortaleza, Goiânia, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador, São Luís, São Paulo, Vitória), onde mora mais de um terço da população brasileira, dividindo ainda cada uma em áreas com características semelhantes, como se fossem “bairros”.

IDHM sobe, mas preocupa desigualdade entre regiões metropolitanas

Em 2000, quase 40% dessas partes das regiões metropolitanas tinham baixo ou muito baixo desenvolvimento humano. A situação melhorou em 2010, quando nenhuma dessas áreas tinha dados considerados de desenvolvimento humano muito baixo e apenas 2% desses “bairros” estavam dentro do patamar considerado baixo.

Composto por três variáveis (expectativa de vida, educação e renda), o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) das regiões metropolitanas varia de zero a um. Quanto mais alto o número, maior o desenvolvimento. Os números foram calculados com base nos Censos Demográficos de 2000 e de 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em média, comparando os maiores índices entre as regiões metropolitanas com os piores resultados, a disparidade era de 22,1% em 2000. Dez anos depois, essa discrepância caiu para 10,3%. De acordo com a pesquisa, os resultados das cidades do interior das regiões cresceram mais no período que os das capitais.

“Ainda assim, é possível encontrar casos extremos em uma mesma região metropolitana”, ressaltou o relatório. Por exemplo, em uma determinada área de Manaus, a renda da população é 47 vezes maior que a parte mais carente dessa região metropolitana. E, entre os quase 9 mil “bairros” pesquisados, foi apontada uma diferença de 15 anos em termos de expectativa de vida ao nascer.

“Os dados intramunicipais são aliados desse planejamento e podem contribuir para a identificação das áreas em que as políticas públicas inclusivas podem encontrar amplo campo para sua implementação”, concluiu o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), que realizou o levantamento junto com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Fundação João Pinheiro (FJP).

Diante dos resultados, “recomendamos uma continuidade [da redução das desigualdades] e, ao mesmo tempo, um esforço de microfocalização naquelas áreas e naquelas populações que ainda precisam do apoio das políticas públicas e também do emprego e de outras atividades econômicas produtivas”, afirmou o coordenador do sistema ONU no Brasil, Jorge Chediek. “Esse esforço de promover uma maior equidade dentro das regiões metropolitanas é necessário”, completou.

O ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), Marcelo Neri, que participou do evento de lançamento do Atlas do Desenvolvimento Humano nas Regiões Metropolitanas Brasileiras, disse que, “apesar da desaceleração macroeconômica, os dados sociais até agora continuam muito fortes”. O relatório, segundo ele, apontou uma transformação profunda, pois a educação, o saneamento, a moradia, por exemplo, melhoraram e isso levou a um aumento de renda e expectativa de vida.

Com base nos números de 2010, as regiões metropolitanas de São Paulo, Brasília, Curitiba, Belo Horizonte e Vitória apresentam as melhores taxas de desenvolvimento humano do país. Os piores resultados são de Manaus, Belém, Fortaleza, Natal e Recife.

Anúncios

Publicado em 26/11/2014, em Nordeste e marcado como , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: